quarta-feira, 19 de Agosto de 2009

Texto para reflexão (De quem é a bola?)



É de Adão e Eva
É do Governo
É do sistema
É do pai. . . da mãe
È da Igreja
É da Escola
Afinal, de quem é a bola?
Adão e Eva

No princípio do mundo, Adão e Eva cometeram a primeira falha contra Deus. Os homens passaram a atribuir todo o mal do mundo: as doenças, as crises, os sofrimentos à falta cometida por Adão e Eva.
“A Bola”, o problema, era sempre atribuído ao pecado de Adão e Eva.
Acontece que as crises foram aumentando, o mundo desenvolvendo, o homem conscientizando-se e concluindo que a bola não era de Adão e Eva, jogando a bola para o Governo.
A bola passou a ser do governo . . .

O Governo
O governo passou a ser responsável por todos os problemas, por todos os males que envolviam a humanidade.
O povo passava fome por causa do governo . . .
A educação não ia bem por causa do governo . . .
Professores não eram competentes por causa do governo . . .

Coitado do governo. Coitado do presidente.
Jogavam a bola para a sua mão, responsabilizando-os dos pequenos aos grandes problemas.
Acontece que o povo percebeu que a bola não era do governo mas sim do sistema; e levaram a bola para o sistema.

O sistema
Quem é o
senhor sistema? O que ele faz? Onde ele fica ? Por que as famílias acusam o senhor sistema como responsável pelos problemas.
Responsabilizaram pais, educadores, o senhor sistema pelo elevado número de marginais que aparecem nas
grandes capitais.
Culpa o senhor sistema de não tê-los educado e não possuírem família.
Afinal, a bola é do sistema?

O povo continua a questionar: “De quem é a bola?” e acham como resposta que a bola é do pai e da mãe. . .
O pai joga a bola para a mãe acusando-a de responsável pela educação dos filhos. Se os filhos vão mal ele diz: “Você não para em casa, você não os acompanha, não cuida da saúde; só pensa em emancipação, quer ter os mesmos direitos dos homens, trabalha dois horários.
Essa família vai mal!!!!!!!!!!!!!!
A mãe, por sua vez, sentindo-se injustiçada, joga a bola para o pai, acusando-o por não estar presente no lar nos momentos difíceis de educar, dizendo-lhes que ele só tem tempo para futebol, trabalho, amigos etc.
Essa família vai muito mal!!!!!!!!!
Acontece que os dois em crise resolvem justificar o erro de grande responsabilidade, jogando a bola para a Igreja. A Igreja abraça a bola e fica com ela. Mas depois percebe que a Escola pode também ajudar. Então a bola vai para a escola.

Escola
A escola recebe reflexo dos problemas familiares e sociais, traduzindo-os em alunos subnutridos, carentes, aprendizagem lenta, desajustados . . .
Mas a escola resolve se isentar desta responsabilidade de educar e diz que o problema “A bola” é do pai, da mãe, do sistema , do governo e que ela só vai fazer aquilo que lhe compete.
Acontece que a bola continua solta. . .
O mundo em decadência, as crises aumentando,
os homens se violentando, as crianças se degenerando e o mundo que foi criado para ser um paraíso passa a ser um campo de concentração, de guerra e desamor.
“A Bola” sendo jogada pra lá e prá cá, o problema não chega à uma solução porque todos tiram o corpo fora, omitindo-se, alheios diante do amor e da responsabilidade.
Portanto, deixando com vocês agora, a “bola”.

4 comentários:

Anónimo disse...

Li esse texto em 1990... E continua motivo de reflexão!

Anónimo disse...

amei o sate nunca tinha me dirvertido tanto estudando!!!!!

Anónimo disse...

olá....procuro o nome do autor desse texto, vc poderia me informar????
me envie um email, é muito importante
polly_oliveira12@hotmail.com

Ana Maria disse...

Ana Maria
Conheço este texto e preciso dele para usar numa reunião.
Obrigada!